Ita, Comida Caseira: um português em São Paulo

Sei que a Páscoa já passou faz tempo, mas preciso desabafar um trauma meu de infância:

Uma das maiores frustrações gastronômicas da minha vida sempre foi o bacalhau da Semana Santa que tinha mais batatas e cebolas do que Bacalhau. Resumindo: passando a Semana Santa no interior de Minas Gerais, para chegar no domingo e ser inundado por batatas cozidas e cebolas. Muitas cebolas! Muitas batatas!

Bacalhau nunca foi um peixe fácil de se achar, e nem um pouco barato. Se a tradição da Páscoa mandasse a gente comer lambari no domingo, estaríamos melhor servidos.

Porém, há um lugar nos cafundós da Cracolândia de São Paulo que serve esse peixe do melhor jeito possível, desde 1953. O Ita, lá na Rua do Boticário – próximo à Galeria do Rock.

Restaurante português, de dono portugueses, oferecendo o bacalhau mais gordo que você vai comer na sua vida. Um lugar simples mas aconchegante, botequim com azulejos lusitanos, que me traz memórias da infância.

– Uai, Angelo, você teve avós portugueses?
– Não, gente. Estou falando em sentar pra comer em São Paulo e não ser extorquido por preços exorbitantes.

Apesar de sempre ter vontade de abraçar o Seu Luis e a Dona Maria, que mesmo estando no Brasil há décadas não perderam uma vírgula do sotaque (e adoram contar as histórias de além-mar), eles não lembram em nada meus avós.

Há um oceano Atlântico, cheio de bacalhaus, separando minha árvore genealógica da terra de Camões. Mas a memória afetiva surge ao sentar em um lugar simples, com comida boa e a preços justos.

O prato principal da casa sai a R$ 24,00.

Bacalhau. Gostoso. Imenso. E barato. Amor eterno ao Seu Luis e à Dona Maria.

E se tem algo além desse prato, da língua e da cultura, que os portugueses acertaram a mão ao vir saquear nosso tropical país, esta coisa se chama PUDIM.

Que fiquem com o pau-brasil, mas deixem esse doce. Pudim vale mais que espelhos, os índios sabiam disso.

Pudim > Ouro

E o Seu Luis é o confeiteiro do restaurante Ita desde a década de 70. Acho que ele tem um pouco de experiência em fazer pudins. Fica a dica.

Além disso, um restaurante que tem 72 latas de leite condensado expostas no balcão só pode ser um lugar cheio de muito amor. Eu contei, pessoal. 72.

Único porém é que até nesse paraíso português no centro de São Paulo, o maldito do último pedaço de pudim é impossível de se pegar. Às vezes é para manter as tradições, como fazer as contas a lápis, rabiscando o balcão de mármore. Às vezes é apenas mais um trauma que eu tenho da minha infância, de sempre sobrar um pedaço de pudim nos domingos de Páscoa (e esse doce minha tia fazia muito bem!).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Serviço:
Restaurante Ita
Rua do Boticário, 31 – Centro (50 metros do Largo do Paissandu)
Telefone: (11) 3223-3845
Capacidade: 39 lugares
Funcionamento: Seg. a Sex: 10h às 20h – Sáb: 10h às 18h

mapa2

Angelo Lameu, 29 anos.
Engenheiro de Produção
Um mineiro em São Paulo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s